Di Lua | Dicas para você viajar mais

Inspirando você a viajar mais e a viver novas aventuras, por meio de dicas de roteiro e planejamento de viagens, dicas de lugares e de Goiânia.

Diário de Viagem: Araxá e suas termas de água sulfurosa

Nos últimos feriadões eu acabei passeando aqui por perto de Goiânia (veja post do Salto Corumbá) ou ficando em casa. Contudo, neste último, programamos (eu e minha família) de ir para Araxá em Minas Gerais. Sempre ouvimos falar sobre a história da cidade e de suas termas. Então começamos a pesquisar sobre os pontos turísticos da cidade, sobre hotéis, distância, entre outros.

Igreja da Medalha Milagrosa – Uberaba/MG

De Goiânia a Araxá

No dia 02 de novembro saímos às 6h  de casa e às 8h estávamos no Posto Caipirão, em Goiatuba/GO, tomando o café da manhã. Conhecemos o posto, que possuí um “mini-zoológico” quando fomos para Capitólio (saiba mais) em maio. Fizemos uma parada em Uberlândia para esticar as pernas e usar o banheiro e seguimos rumo a Uberaba/MG, pois minha mãe queria conhecer o Santuário da Medalha Milagrosa. Aproveitamos a parada e almoçamos no restaurante Cheiro Verde, que fica bem próximo à igreja.

Igreja de São Domingos

Chegamos em Araxá por volta das 16h e fomos direto para o Hotel Morada do Sol. Ele possuí uma localização ótima: bem em frente à praça de São Domingos, bem no Centro da cidade, logo dá para visitar todos os museus da cidade a pé, além de ser próximo à supermercados, bares, restaurantes,  pizzarias, sorveterias, bancos, entre outros. A diária com café da manhã (farto e delicioso) saiu R$60 reais por pessoa (sim, muito barato). O Hotel é simples, mas bem organizado.

Cine-Teatro Brasil – Araxá

Depois de instalados, saímos a pé para conhecer a cidade, que me surpreendeu. Adoro observar a arquitetura dos locais, das cidades, principalmente das antigas e Araxá me surpreendeu. No Centro não tem só casarões antigos e tombados, mas muitas casas “modernas”, com estilo dos anos 70. É interessante ver como a história deixa suas marcas por meio das construções.

História de Araxá

O nome da cidade, homônimo à tribo indígena que vivia naquela região, significa “Um lugar onde primeiro se avista o sol”. Com a decadência da mineração, os moradores de regiões vizinhas começaram a criar gado na região onde hoje é Araxá, e entre 1770 e 1780 surgem as primeiras fazendas na região.  Com o descobrimento de terral fértil e do sal mineral nas águas do Barreiro, o povoamento de Araxá começa a se intensificar.

Tauá Hotel, no Complexo Barreiro

A formação geológica da cidade é rica em minérios como as águas sulfurosas e radioativas, o nióbio e a apatita; Tais características atraí turistas de todos os cantos para tomar banho nas águas que “curam”. Outros pontos interessantes na história da cidade é que na Bacia do Barreiro, viveram animais pré-históricos há milhares de anos (há fosseis no Complexo Barreiro), e que um dos maiores quilombos de Minas, o Quilombo do Ambrósio, foi formado nessa região, mas hoje não há mais nenhum vestígio dele.

Fonte Dona Beja

Querem ver como foi minha viagem de Goiânia a Araxá? o vlog já está no Youtube! Para não ficar gigante, dividi o vlog em três partes, a primeira e a segunda parte já estão no canal (aqui e aqui). No próximo episódio mostrarei como é o interior do Tauá Hotel e como é o Complexo do Barreiro.

8 comentários em “Diário de Viagem: Araxá e suas termas de água sulfurosa

  1. Lary quando crescer quero ser igual a ti, sempre viajando e conhecendo novos horizontes. Amo uma vida assim aventureiro apesar de viajar menos como gostaria. Adoro seus posts de viagem sempre nos mostra tanto sobre determinado lugar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Voltar ao topo