Di Lua | Inspirando você a viajar mais e viver experiências transformadoras

O Blog Di Lua inspira você a viajar mais e a viver experiências transformadoras, por meio de planejamento de viagens, história e dicas de lugares e de Goiânia

Cheio de praças, Setor Sul em Goiânia foi inspirado nas Cidades Jardins

Bosque dos Pássaros Setor Sul Goiânia lary di lua
Bosque dos Pássaros, no Setor Sul

O Setor Sul é um bairro de Goiânia cheio de vielas, ruas sem saídas e praças verdes localizada na região Central. Ele foi projetado pelo urbanista Armando de Godoy baseado na definição de Cidades Jardins. O bairro, um dos primeiros núcleos habitacionais de Goiânia, constitui patrimônio paisagístico, histórico e ambiental da cidade.

No entanto, ao longo dos anos, o abandono pelo poder público resultou na descaracterização do bairro. Se não fosse pela ação dos próprios moradores, muitas das praças estariam completamente abandonadas. 

Recentemente, o moradores do bairro fizeram um abaixo assinado online (aqui) solicitando a proteção e tombamento do traçado histórico do Setor Sul, em Goiânia, e de suas áreas verdes. Os moradores são contra a construção de edifícios no local através da venda de áreas públicas e o remembramento dos lotes (unificação de dois ou mais terrenos vizinhos) com as praças e ruas secundárias.

Setor Sul, Goiânia e a definição de Cidades Jardim

Foto: Goiânia Antiga

Goiânia nasceu como uma cidade para 50 mil habitantes e foi projetada por Attílio Corrêa Lima, engenheiro e arquiteto, graduado urbanista em Sorbonne, em Paris. Dessa forma, o projeto de Goiânia sofreu fortes influências parisienses, principalmente do Art Déco.

O projeto de Goiânia foi traçado em três pilares: sistema viário, o zoneamento e a configuração do terreno, levando em consideração, sobretudo, a funcionalidade. Assim, as vias foram planejadas de acordo com a intensidade e direção do tráfego.

Contudo,em 1935 Attílio deixa o projeto, que passa a ser dirigido pela construtora Coimbra Bueno que, por sua vez, contrata o arquiteto Armando de Godoy. Ele então elabora um novo plano para o Setor Sul, aplicando os princípios de bairro-jardim de Ebenezer Howard.

O urbanista inglês propunha o fim da dualidade entre os mundos urbano e rural, pois entendia que a solução para os problemas das cidades era criar atrativos que reconduzisse o homem ao campo. Dessa forma, esses locais seriam cercados por cinturão verde, com rodovias radiais saindo do parque central e dividindo a cidade em seis setores. Além disso, junto ao parque teria escolas, bibliotecas e igrejas.

Assim, o Setor Sul foi projetado respeitando a declividade natural do local, composto por quadras e lotes irregulares unidos por um sistema de parques internos, e para preservar a vegetação abundante. A entrada social dos lotes deveria ser voltada para o interior das áreas verdes e a entrada de serviço para as ruas com cul-de-sac (ruas sem saída), sendo a saída principal dos carros, separando o máximo possível as ruas de residência das de tráfego.

Ocupação do bairro

A ocupação do Setor Sul iniciou somente na década de 50, deixando o projeto de Armando de Godoy de lado. Os moradores construíram as casas de frente para as ruas sem saída e de costas para os jardins, principalmente por conta das pressões do mercado imobiliário e a utilização dos carros como meio de transporte principal. Além disso, por falta de recursos, muitos urbanizou apenas pequenas faixas do lote, especialmente os fundos, deixando o restante para serem utilizados futuramente.

Dessa forma, na década de 1970, havia uma grande quantidade de terrenos vagos no bairro.

Praça do Cruzeiro, Setor Sul em Goiânia lary di lua
Praça do Cruzeiro, Setor Sul, Goiânia

Projeto Cura

Em 1973 foi formulado o Projeto Comunidade Urbana para Recuperação Acelerada (Cura), composto por 32 praças do Setor Sul, e que visava estimular a ocupação de lotes baldios e integrar a região central por meio de praças de convivência. Na época foram definidas prioridades como: urbanização das áreas livres, instalação de equipamentos de lazer, playgrounds, quadras esportivas,  postes de iluminação, bebedouros, entre outros. Contudo, ele foi concluído na década de 80.

Fontes:

Nuances do Setor Sul em Goiânia: Do Planejamento à descaracterização. Jeferson de Castro Vieira, Adsson José Rodrigues Luz, Gean Pablo Ázara Souza, Stéfanny Karinny Souza França, Éricka Kiarelli Ribeiro Ázara Souza.
Desenvolvimento urbano e condição pós-moderna do setor sul da cidade de Goiânia. Rodolfo Alves Faria de Almeida, Leonardo Guerra de Rezende Guedes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Voltar ao topo